domingo, 13 de dezembro de 2009

A LOUCURA DA VIDA


Impressionante como a vida de uma hora para a outra passa de um caos à calmaria e da calmaria volta-se ao caos; e sem qualquer explicação nos moldamos aos diferentes níveis que passamos, e no começo percebemos o quanto é difícil viver a tão sonhada evolução.
Hoje consigo enxergar o quanto era feliz quando não tinha preocupações, quando mal entendia o que era a vida e não tinha nada para fazer. Infelizmente desde criança estamos sempre insatisfeitos e infelizes com nossa merecida realidade.

Para que as coisas mudem um pouco – ironia – está tudo uma confusão, faço tantas coisas em um só dia que ao mesmo tempo parece que não faço nada direito, ou que não dou tudo de mim em uma delas. Deixo minhas vontades por incompleto e as minhas tarefas parecem que nunca acabam. A vida toda eu precisei me virar sozinho, sempre buscando o que queria e faço isso até hoje, mas só agora que começou a doer; olhando meu passado vejo tudo aquilo que passei e mesmo com muita dor, saí vitorioso e agradeço por tudo que consegui. E agora olhando o meu presente me vejo mais uma vez sozinho lutando por problemas mais pesados, fazendo escolhas mais sérias e quando me olho ao espelho não me reconheço, não me vejo de uma forma ruim e sim de uma maneira nova, ainda não me adaptei e me surpreendo com o reflexo de todos os dias mesmo sem saber exatamente o que vejo.

A verdade é que vivo em meio a loucos. Loucos mentais, loucos por trabalho, loucos de cansaço, loucos de desejo, loucos por amor, loucos sem qualquer motivos e loucos como eu que estão incompletos.

Muitas coisas acontecendo e nem sempre são boas, aliás, é como se existisse uma equilíbrio entre bons e ruins acontecimentos. Ambos se anulam e por fim continuo incompleto.
E nessas horas sou obrigado a eliminar problemas, chega de começar as coisas da forma errada acreditando que será o certo; e por mais que exista a desaprovação e o desgosto dos que amo decido que está mais do que na hora de pensar em mim em primeiro lugar e fazer aquilo que eu preciso para ser feliz. Então:
Sim, eu vou parar de procurar amores onde não existe.
Sim, eu vou fazer Jornalismo.
Sim, vou atrás da minha liberdade que é mais que merecida.
E sim, eu vou viver a minha vida sem medo dos julgamentos, reprovações e olhares que com certeza sempre existirão.

Sou a pessoas mais importante do meu mundo e assim pretendo continuar, não me colocarei em segundo plano e muito menos perderei meu orgulho.

Todos os maus momentos que estou passando agora são apenas reflexos do jeito errado que vivi todo esse tempo, e não por querer e sim por condição. Vejo que se tivesse seguido meus instintos muitas dores seriam poupadas, mas também não posso me arrepender, acredito que exista uma razão para tudo isso, mas não é a hora de sofrer mais por isso.

O plano agora é levantar e caminhar para o caminho que a vida quiser me levar, para os braços quentes que a minha alma deseja e para o fim desse momento que só Deus sabe quando vai acabar.

Rafael Pimentel

1 comentários:

Caroline Ortiz | 16 de dezembro de 2009 10:23

Quando fazemos muitas coisas ao mesmo tempo, com medo de que nos falte tempo só por impressão nossa mesmo, sempre ficamos com uma sensação de incompletos. Sim, você deve correr atrás do que tu quer, com o seu orgulho saudável e não com o orgulho de individualidade. Você nunca deve procurar amor, principalmente onde não existe, o amor aparece para gente no momento que menos esperamos.