segunda-feira, 19 de outubro de 2009

CAOS MENTAL #10


Era o começo de uma nova semana e todos os dias estavam sendo ótimos para ele, as pessoas se sentiam atraídas por sua energia e seu sorriso, ele iluminava uma multidão com seu riso e era impossível não perceber.
Voltando do colégio, andando na rua ele parou pra pensar naquele amigo, voltaram a conversar e tudo estava tomando um rumo muito positivo, o que ambos queriam. Marcaram de sair logo no final de semana e dentro de sua cabeça ele queria mesmo vê-lo, uma vontade muito forte de ganhar um abraço inflamava dentro dele, mas ele sabe que tudo tem seu caminho, e então deixou de lado suas projeções e mudou um pouco seu foco.

A semana foi passando e os mesmo pensamentos vinham à sua mente, e ele não conseguia conter o riso e a ansiedade; era engraçado vê-lo corando só de pensar no que seria o seu final de semana. Ele merecia, depois de tudo que ficou no passado; era ótimo que ele se sentisse assim, era como ver vida após a morte, ou a reconstrução após a guerra. Ele estava descobrindo que ele é herói de sua própria vida, era o grande vencedor de todas as batalhas.

O tão esperado final de semana chegou, e ele acordou incrivelmente bem naquela manhã. A chuva caía e ele estava de cara limpa e alma lavada, acordou determinado a fazer o dia valer a pena e não se contentaria com menos.
Chegou ao lugar combinado e ele já estava lá, com um sorriso tímido mas que impressionava de tão lindo, logo se abraçaram – foi como se o tempo fosse inexistente naquele momento, tudo o que ele sentia era o calor daquele abraço – e foi nesse momento que ele percebe que tudo até ali valeu a pena, que nenhum sofrimento é bom o bastante para superar um momento de tanta alegria como esse. Ele agradeceu por ter chego até ali mesmo não sabendo bem até onde tudo ia dar, mas não tinha medo nenhum; a incerteza era boa, a sensação de novidade era melhor ainda.
Conversaram durante horas, e o tempo voava; como era bom estar ao lado dele. A atração foi mútua e os dois corpos se uniram. O gosto daquele beijo era inigualável, e tudo o que ele queria era mais, era impossível parar; o que ele não sabia era que o parceiro pensava da mesma forma, que tudo que ele também não queria era que aquele momento acabasse.

Mais horas se passaram e a noite já havia chego mas para eles o tempo havia parado, não escutavam, não viam nada além deles, olhar aqueles olhos que brilhavam quando encontravam os seus. Tempos bons haviam chego e ainda estava no começo.

Ao voltar para a casa, a chuva voltou a cair mas seu corpo pedia água, e enquanto a água caía no seu corpo ele olhou para o céu e com o coração acelerado ele chorou, sem vergonha alguma, e de alegria. Ele agradecia aos céus por ter tido um dia tão bom, não havia projeções para o futuro, estava na filosofia do 'cada dia é um dia, viva o hoje sem pensar no amanhã'. Fechava os olhos e sentia aquele beijo o carinho que os envolvia.

O seu caos mental ainda existia mas estava em outro momento, um bom momento. Tudo o que ele precisava era de mudanças e agora ele tinha, seu passado era apenas passado e o presente seria um novo futuro. Era determinado e curioso a saber o que o destino lhe reservara e algo dizia que sua nova fase seria a melhor até agora.

Viver deixou de ser uma tortura para ser um prazer, o sofrimento deixou de ser dor para ser aprendizado, e ele havia aprendido tão bem. Seus monstros haviam ido embora, e os anjos estavam ao seu lado, ele tinha luz à sua volta e chance de ser feliz na sua mão, ele fez a sua escolha e a jogou em direção ao tempo, ele cuidará de tudo.

FIM

Rafael Pimentel

2 comentários:

Caroline Ortiz | 19 de outubro de 2009 12:18

Muitas vezes esquecemos que o sofrimento é parte da vida, só aprendemos isso quando sofremos, nos recuperamos, e somos felizes. E depois sim, paramos para pensar no aprendizado que tivemos.
Não posso dizer-lhe mais nada ao menos: Parabéns!

Larissa Alves | 29 de novembro de 2009 09:28

adorei rafa,desde o primeiro até agora ! Parabéns *-*