domingo, 11 de outubro de 2009

CAOS MENTAL #3


Ao acordar percebeu que algumas coisas estavam estranhas – não se lembrava de ter se deitado, estava com o celular em sua mão direita e não se lembrava de tê-lo usado – sentiu uma pontada forte em sua testa, olhou para o relógio e viu que ainda era cedo para se levantar mas estava se sentindo morto, precisava de movimento, precisava fazer o sangue circular.
Foi até o banheiro, precisava ver seu reflexo ou talvez tentar reconhecer aquele que aparecia no reflexo.
Quem era aquele garoto tão triste em frente ao espelho? Tinha olhos carregados, vermelhos, era pálido e só de olhar para ele um semblante de tristeza surgia no ambiente, era quase torturante.

Sentou no sofá e ficou ali, pensando, refletindo e tentando arranjar soluções para suas aflições e chegou à conclusão de que a única forma de solucionar era enfrentando-as. Não foi difícil chegar à conclusão, mas ele sabia o quanto seria difícil colocá-la em prática.
O que havia de errado com ele? Nunca teve medo de enfrentar a vida, sempre esteve pronto para seus tombos; mas depois de tanto cair se tornou tão sensível que nunca sabia qual seria o tamanho da queda. Sua única certeza, é que se ele não souber fazer as coisas certas, a queda seria tão forte que talvez ele não aguentasse.


 

Continua...


 

Rafael Pimentel

4 comentários:

Jéssica M. | 11 de outubro de 2009 15:19

'Quando tudo desaba, a estrutura continua de pé, pra construir algo bem mais forte, bem mais fundo. E sentir isso só te fortalece e faz crescer, o mundo dá voltas e a dor sempre se transforma em algo positivo. O foda mesmo é saber escrever isso como você escreve.

Quero ver o 5° logo ¬¬
te amo.

Thales | 11 de outubro de 2009 18:44

Quero ver o 5° logo ¬¬
te amo.
[2]

Caroline Ortiz | 11 de outubro de 2009 18:54

Isso mostra o quanto muitas das vezes dependemos apenas de nós mesmos.

Caroline Ortiz | 11 de outubro de 2009 18:54
Este comentário foi removido pelo autor.