quarta-feira, 14 de outubro de 2009

CAOS MENTAL #5


Os dias passavam como verdadeiras sessões de tortura. Era masoquista, triste e doloroso; sua dor emocional era tão forte que até mesmo o seu físico doía. Nem as noite de inconsciência faziam sua dor passar, as madrugadas passavam como minutos e muitas vezes nem ao menos fechava os olhos. Era como se algo tirasse sua vontade de descansar mas ao mesmo tempo não lhe dava ânimo.

Todos os dias seu despertador tocava e no final da madrugada ele se levantava, olhar-se no espelho era necessário e doloroso e então fazia o mais rápido que podia. Tentava de qualquer forma esconder sua dor então sentado treinava sorrisos que não convenceriam nem uma pobre criança.
As manhãs ensolaradas faziam ele lembrar de que precisava viver, precisava voltar a fazer o sol brilhar dentro do seu coração e faria o que fosse necessário para que tudo melhorasse. Ele já não se lembrava de como era seu sorriso verdadeiro, suas risadas nem como era quente o seu coração.

E depois de tanto tempo, ele teve seu primeiro momento de esperança. A sensação era como se dez quilos de cimento caísse dos seus ombros e encontrassem o chão, sentiu-se mais leve mas sabia que ainda havia muito para aliviar. E foi apenas o começo.


Continua...

Rafael Pimentel

4 comentários:

Caroline Ortiz | 14 de outubro de 2009 17:59

Nada que o tempo, e a esperança não resolva.

vi | 14 de outubro de 2009 19:43

acho que vc é especial pra caralho!

Sou legal, medrosa, ... blábláblá | 14 de outubro de 2009 19:46

Caaara,
Muuuuito *--*
:)http://www.algoparachamardemeu.blogspot.com/

paulinho | 15 de outubro de 2009 16:38

Lindo escrito! A dor ensina rafa, e passa.